Tradução em andamento do livro “A Dispensational or a Covenantal Interpretation of Scripture - Which is the Truth?” por Bruce Anstey
Este livro encontra-se em processo de tradução, portanto para uma leitura mais ordenada sugiro que comece pela postagem mais antiga no Arquivo da coluna da direita.

A Teologia do Pacto REBAIXA a Igreja

A nova Teologia do Pacto rebaixa a Igreja da posição que ela ocupa de uma entidade celestial, com bênçãos distintas que só pertencem a ela (Ef 1:3), à mesma condição dos santos mileniais na terra. As Escrituras ensinam que a Igreja é verdadeiramente uma entidade distinta dentre os grupos de pessoas abençoadas no sistema da graça. Ela é chamada de “igreja dos primogênitos” (Hb 12:22-23). Primogênito é um termo que aponta para aquilo que ocupa o primeiro lugar e de preeminência entre os outros santos de Deus.

Como já foi mencionado, aqueles que compõem a Igreja são vistos como “filhos” na casa de Deus, enquanto o santo do Antigo Testamento é visto como “menino” e “servo” na casa (Gl 4:1-7). O costume do lar judeu de celebrar um “bar mitzvá” ilustra essa diferença (N. do T.: “bar mitzvá” significa “filho do mandamento” e é também o nome da cerimônia de passagem, quando o menino é considerado adulto e responsável diante de Deus).

Além disso, Apocalipse 19 mostra a “esposa” do Cordeiro como distinta de outros santos celestiais, que são “aqueles que são chamados à ceia das bodas do Cordeiro”, que compõem o “amigo do Noivo” (Jo 3:29). Sendo a esposa, ela ocupa um lugar especial em relação ao Cordeiro, ao contrário dos outros que não têm esse privilégio. As Escrituras declaram que Deus terá muitas famílias de seres abençoados no céu e na terra, tendo diferentes relacionamentos com Ele — eles não são todos um grupo só (“toda a família nos céus e na terra” em Efésios 3:15 tem o sentido de cada família). Mas nenhum deles ocupa um lugar de favor e proximidade de Cristo como os cristãos que são membros do Seu corpo (Ef 5:23-32).



Postagens populares